A gamificação é uma tendência mundial em ambientes corporativos, e não é difícil entender por quê. Transformar a rotina de trabalho, tornando-a mais lúdica e recompensadora, é uma ótima forma de produzir engajamento e estimular os funcionários a completarem suas demandas em qualquer área. Ao gamificar sua gestão, as empresas podem diminuir gastos e aumentar a eficiência dos programas de treinamento e capacitação, dentre muitas outras vantagens.

A lógica por trás dos jogos e a razão de seu apelo residem no grau de desafio que proporcionam. Quanto mais os jogadores avançam para cumprir as diferentes missões estabelecidas, mais difícil se faz a busca, o que deixa ainda mais saborosa a espera pela vitória.

Gamificar, portanto, é apropriar-se desta ânsia do jogador em completar o percurso, a fim de ganhar o reconhecimento de seus pares. Aplicada ao dia a dia das empresas, a estratégia pode revolucionar as relações de trabalho, reforçando a competição sadia entre equipes e instigando o desejo de aprimorar-se continuamente. Vamos aprender um pouco mais sobre o assunto?

As vantagens de gamificar sua gestão

Se não é divertido, não vai funcionar. A condição básica para que a gamificação dê resultados é oferecer experiências interessantes e empolgantes, com etapas que levem os participantes a se esforçarem para atingir as metas traçadas. Para isso, é fundamental que haja recompensas à altura de cada desafio proposto.

Os prêmios oferecidos em programas de treinamento, por exemplo, podem envolver desde vale presentes ou pontos que são trocados por um dia de folga, até “distintivos” ou rankings que comprovem, publicamente, a excelência alcançada pelo funcionário.

Seja qual for a forma escolhida para premiar, o importante é não banalizar o processo. Se o “pote de ouro” não tiver valor real diante dos colegas e colaboradores, rapidamente as pessoas perderão o interesse e as iniciativas cairão em descrédito.

Além disso, é fundamental estabelecer um plano de ação para que a empresa saiba aonde quer chegar com a gamificação. Sem objetivos claros, tudo se resumirá a disputas de ego, o que não contribui em nada para o crescimento das pessoas ou da organização.

O potencial da gamificação

O maior ganho potencial da gamificação é aumentar a vontade dos funcionários de cumprirem seus objetivos. O impacto na produtividade e no desempenho pode ser expressivo, desde que o gestor encontre o ponto ideal de equilíbrio entre o incentivo, a recompensa e o reconhecimento.

Quando a estratégia dá certo, o efeito psicológico tende a se espalhar para todos os setores da empresa, fazendo com que outros funcionários se interessem cada vez mais — daí a importância de monitorar resultados e acompanhar de perto a reação de todos.

Em “The Gamification Revolution”, os especialistas Gabe Zichermann e Joselin Linder unem forças para explicar o impacto da gamificação sob três pontos de vista: das corporações, dos funcionários e dos clientes. Embora nas discussões sejam breves, o mérito do livro é apresentar conceitos imprescindíveis para profissionais que desejam aprender como aplicar adequadamente essas técnicas e gamificar sua gestão.

Ricardo A. M. Barbosa é diretor executivo da Innovia Training & Consulting, professor de programas de pós-graduação em conceituadas instituições de ensino, Consultor em Gestão de Projetos há 15 anos e já atuou como executivo em grandes empresas como Ernst & Young Consulting; Wurth do Brasil; Unibanco; Daimler Chrysler.

Gostou do tema? A gamificação já está presente na empresa em que você atua? Deixe um comentário no post e compartilhe a sua experiência!

 

DEIXE UMA RESPOSTA

*