Liderança envolve obter resultados, e obter resultados envolve relacionamentos humanos. Quanto mais estreito o vínculo entre as pessoas e o líder, mais resultados geralmente surgirão.

No entanto, a maioria dos líderes e as pessoas que eles lideram veem esses relacionamentos como uma via de mão única: os líderes carismáticos são comumente definidos por sentimentos que as pessoas transmitem a eles. Mas uma grande liderança é realmente uma via de mão dupla, envolvendo também sentimentos que vão do líder para o povo.

Nunca sabemos o quão bons somos como líderes até que estejamos encantados com as pessoas que lideramos e, por meio dessa alegria, os conduzamos a obter resultados cada vez melhores, enquanto se tornam cada vez melhores como líderes e como pessoas.

Por exemplo, recentemente recebi um e-mail de meu antigo comandante de companhia me convidando para uma reunião. Ele escreveu: “Fui o comandante de companhia de rifle mais sortudo do Corpo de Fuzileiros Navais quando estava cercado pelo melhor grupo de tenentes oficiais de infantaria que já conheci. E eles estavam todos em nossa companhia!”

Fazia décadas que não ouvia falar dele, mas não me lembro tanto do que fiz, mas do que ele fez. Ele foi contra o estilo de liderança e conduta de alguns oficiais que eu conhecia – oficiais que realizaram o trabalho por estarem bastante focados em si mesmos e em suas carreiras.

Meu ex-comandante da companhia, no entanto, concluiu o trabalho sendo inspirado pelas tropas, não por ele mesmo.

Na vida civil, vi outros líderes sentirem prazer semelhante e serem inspirados pelas pessoas que lideram, e percebi que essa tendência é realmente uma ferramenta de liderança poderosa, embora raramente usada.

No entanto, para usar a ferramenta corretamente, três coisas devem ser mantidas em mente.

  • O prazer deve acontecer dentro do contexto de altas expectativas de resultados. Para o seu deleite, não seja prejudicado pelo preconceito de baixas expectativas. O comandante de minha companhia era conhecido por fazer seus homens passarem pelos mais difíceis treinamentos e assumirem as tarefas mais difíceis. Ele se deliciava com suas tropas não apenas pelo que eles queriam fazer, mas pelo que ele os desafiava a fazer. Afinal, liderança não significa que as pessoas façam o que desejam. Se eles quisessem, você não seria necessário como líder. Liderança é fazer com que as pessoas façam o que podem não querer fazer e se comprometerem a fazê-lo.
  • O prazer deve ser verdadeiro. Não tente manipular as pessoas por meio do seu deleite. Quando as circunstâncias o exigiram, o comandante de minha companhia foi brutalmente honesto conosco. Se não estivéssemos correspondendo a seus altos padrões, saberíamos por ele de maneira vigorosa e vívida. Sua honestidade foi uma lição de liderança: faça com que as tropas se vejam como devem ser vistas, não como desejam ser vistas. Claro, ele nos irritou muitas vezes. Mas como sua honestidade ajudou as tropas a se tornarem melhores fuzileiros navais, ela acabou sendo aceita e até bem-vinda.
  • O prazer deve ser prático. O comandante de minha companhia sempre associava o prazer que sentia nas tropas com as lições aprendidas no cumprimento de missões e as melhores práticas advindas das lições. Seu deleite não era para que as pessoas se sentissem bem consigo mesmas, mas para motivá-las a agir para serem cada vez melhores. Nessa luta para ser melhor e, ficando melhor na luta, nos unimos. Claramente, indo aonde tínhamos que ir e fazendo o que tínhamos que fazer, muitas vezes éramos infelizes; mas apesar de tudo, havia, pelo menos no fundo da minha mente, a compulsão de não o decepcionar e de não decepcionar um ao outro.

Você pode não ter pensado no prazer como uma ferramenta de liderança, mas é uma das mais eficazes porque vai direto ao ponto de obter resultados por meio da consolidação de relacionamentos corretos. Lembre-se desses três fatores ao expressar sua alegria, e sua liderança será abençoada diariamente com novas oportunidades.

DEIXE UMA RESPOSTA

ERROR: si-captcha.php plugin: securimage.php not found.