Todos nós já estivemos nesse lugar onde a ação fala mais alto. Você tem uma boa ideia do que deve ser feito, mas não pode fazê-lo. Sabe que é a coisa apropriada a fazer, mas você simplesmente não pode agir. Você está preso. Pondera as circunstâncias repetidamente em sua cabeça, mas ainda assim você realmente não faz nada sobre isso. Você espera… espera que a vida apareça e resolva isso para você. Então você aceita o resultado. Há momentos em que essa abordagem pode ser boa, talvez até a melhor escolha; mas na maioria das vezes não temos coragem de tomar uma decisão.

É nisso que se resume, você sabe… coragem.

Bem, eu sei que é o meu caso de qualquer maneira. Passei a me examinar nesses momentos em que acho difícil decidir o que é melhor fazer. Minha descoberta é que, mesmo quando é bastante claro que uma ação é para um bem maior, o medo me impede de agir por vontade própria. Olho para as consequências “possíveis” e não suporto seguir em frente. E a outra ação? Bem, as consequências disso também podem ser insuportáveis, então também não tomo essa ação. Eu não posso ficar onde estou. Devo fazer um do outro. Repetidamente volto à mesma bifurcação da estrada e não ajo em nenhuma delas, esperando que na próxima vez que eu voltasse houvesse mais clareza. Infelizmente, a clareza dificilmente vem. Eventualmente, quando eu ajo, muito mais dano foi causado do que o necessário… dano que poderia ter sido evitado se eu tivesse a coragem de agir mais cedo.

Bem, mais danos nem sempre são causados, pode-se argumentar. É verdade. Ainda assim, no mínimo, você tira o controle da situação ao se tornar uma vítima. Certamente isso está errado, você diz. E se você se apressar em uma decisão da qual mais tarde se arrependerá? Não seria melhor considerar as coisas completamente antes de fazer algo estúpido? Mais uma vez, está correto. No entanto, para a maioria das pessoas, a consideração continua por muito mais tempo do que deveria. Se houver algo mais que deve acontecer primeiro, tudo bem; mas este também não é o caso, para a maioria das pessoas. É só que eles não querem fazer o que é necessário.

Tomar decisões é uma atividade fundamental para assumir o controle de sua vida.

É uma habilidade em si. Algumas pessoas parecem ter a capacidade de fazê-lo melhor do que outras. Para essas pessoas, parece ser uma habilidade inata. Para outros, bem, requer desenvolvimento. Tem que praticar. Temos flexionar esses músculos de “tomada de decisão”. Não pode se dar ao luxo de esperar que as coisas aconteçam. Você tem que enfrentar seu medo… medo do fracasso e das oportunidades perdidas.

Para desenvolver a capacidade de agir quando a situação exige, é irônico que o melhor aliado seja um recurso mais “passivo”. É aceitação. Quando você pode aprender a aceitar a vida, então você é capaz de fazer mais sem ficar paralisado pelo medo. Pense nisso. Você não pode controlar tudo. Isto é um fato. Você não pode ver o futuro (a menos que você seja vidente ou algo assim, nesse caso pule isso); outro fato. Você cometerá erros na vida; mas você pode se recuperar e seguir em frente. Aceite tudo isso e você estará no caminho certo para tomar decisões difíceis.

A aceitação não é tão difícil. Você faz isso o tempo todo. Você dirige?

Bem, se você fizer isso, você tem que ter certeza de que o motorista que vem da direção oposta não é um lunático que vai atropelar você. Se você já atravessou a rua em um semáforo ou entrou em um carro com outra pessoa dirigindo, está aceitando muito. Como você faz isso? Bem, você não tem escolha. Você tem que chegar onde você está indo. Você não chegaria lá se se recusasse a entrar em um carro porque tem medo de bater.

É um risco que você tem que correr porque está convencido de que quase não há escolha. Bem, que tal aplicar essa aceitação à sua decisão? Não há garantias na vida (de um modo geral). Você pode ter cometido um erro, mas pelo menos teve a coragem de escolher. E quem pode dizer que você não teria sido atingido por um raio se tivesse tomado o outro caminho. Você simplesmente não pode saber que teria sido melhor se você não tivesse agido como agiu. Aceite isso também. Isso lhe dará confiança. Confie em mim, com confiança; você já está a meio caminho do seu destino.

Então vá até o prato. Escolher. Não seja uma vítima das circunstâncias. Você pode fazer muito mais sabendo que é responsável pelas escolhas que o levaram até onde você está na vida.

DEIXE UMA RESPOSTA