As demonstrações financeiras são ferramentas muito utilizadas por qualquer gestão relevante e de sucesso. É a partir delas que um negócio pode conhecer e analisar seus resultados e, além de tudo, elas também ajudam na regularidade fiscal e contábil. Para que sejam tão úteis quanto possível, é preciso conhecer alguns pontos importantes sobre essas demonstrações. Pensando nisso, veja a seguir 4 coisas que você precisa saber sobre essas ferramentas.

A relevância das demonstrações financeiras mora na análise

Uma demonstração financeira é uma importante fonte de informação para o seu negócio. Porém, apenas a sua existência não tem tanto significado quanto parece. Um balanço patrimonial ou um demonstrativo de resultado do exercício (DRE) passam a ser realmente relevantes após a análise adequada desses dados. Por isso, não adianta organizar e obter demonstrações financeiras e não realizar análises completas sobre os seus resultados, pois dessa forma elas deixam de ser úteis.

Demonstrações financeiras devem ser acompanhadas de maneira consistente

Fazer o acompanhamento consistente das demonstrações financeiras permite uma análise de resultados relevante de maneira evolutiva. Isso significa que ao fazer essas análises dentro de períodos espaçados de tempo é mais fácil entender o comportamento do negócio. Por exemplo: se uma DRE é avaliada mensalmente, é possível compreender quando o negócio dá lucro e quando não e quais são os pontos que precisam de mais atenção. Uma mesma demonstração financeira pode ser muito útil com a análise consistente e, ao mesmo tempo, completamente irrelevante devido à falta de continuidade na análise.

A sua tomada de decisão fica mais assertiva com essas ferramentas

Sendo uma importante fonte de informação, essas demonstrações são indispensáveis para uma tomada de decisão de qualidade. Em vez de se basear somente no chamado feeling empresarial, com essa análise é possível identificar muito mais facilmente qual é o melhor caminho a seguir com o negócio. O uso dessa ferramenta ajuda a diminuir as chances de, por exemplo, acontecer uma alocação incorreta de recursos ou de um investimento inadequado ser selecionado. Para a empresa, isso é importante porque oferece, acima de tudo, robustez no mercado.

A análise apenas dos números é míope

É bem verdade que esse tipo de demonstração é mais quantitativa já que se baseia fortemente em números. Porém, a análise não precisa se limitar somente a essa abordagem. Em vez de conhecer apenas os números em si, vale a pena buscar novas relações a partir dessas ferramentas. É o caso, por exemplo, de um DRE que mostre que a empresa, no período analisado, não ofereceu lucro. Uma análise quantitativa pura e simples mostra que o negócio vai mal. Porém, uma análise mais abrangente pode mostrar que, apesar de o resultado ter sido negativo, ele foi 20% do que o do período anterior. Assim, embora a demonstração financeira indique o negócio ainda precisa melhorar, esse resultado também demonstra uma evolução dentro do período de análise.

As demonstrações financeiras vão além dos números e podem trazer informações valiosas sobre o negócio. Atentando-se a esses pontos, sua análise se torna melhor, mais relevante e oferece mais chances de sucesso. No Curso de Análise Avançada de Demonstrações financeiras você aprende, dentre outras coisas, a tirar o máximo de informações dessas ferramentas. Conheça!

Ricardo A. M. Barbosa é diretor executivo da Innovia Training & Consulting, professor de programas de pós-graduação em conceituadas instituições de ensino, Consultor em Gestão de Projetos há 15 anos e já atuou como executivo em grandes empresas como Ernst & Young Consulting; Wurth do Brasil; Unibanco; Daimler Chrysler.

DEIXE UMA RESPOSTA

*