Definição de Brainstorm

O brainstorm é uma forma alternativa e criativa de viabilizar a resolução de problemas, por meio de uma “tempestade de ideias”. Sem muitas restrições, as contribuições fornecidas por cada participante começam a tomar forma ao serem avaliadas pelos próprios propositores e, posteriormente, são direcionadas para a efetiva solução do problema proposto inicialmente.

O importante é compreender que esse momento e espaço servem exatamente para que as ideias propostas sejam discutidas e conhecidas argumentativamente por todos os participantes. Sua condução se dá de forma deliberativa e visa respeitar todas as possibilidades que venham a surgir entre as discussões. Além de ser uma excelente possibilidade de resolução de problemas, ainda evita a desmotivação profissional por falta de reconhecimento de suas ideias.

No entanto, existem alguns pontos fundamentais para a melhor compreensão de um brainstorm eficiente, como:

Tenha objetividade

Por se tratar de uma técnica não restritiva, o brainstorm precisa ter seu problema definido de forma clara e objetiva, para que todos saibam o que precisa ser alcançado ou resolvido no fim das atividades. É importante ainda que os problemas abordados não sejam complexos e, caso sejam, precisam ser segregados em problemas “menores” e mais simples de serem resolvidos.

Exercite a criatividade

A criatividade é a principal ferramenta de decisão e resolução de problemas vinculada a esta atividade e por isso precisa ser estimulada constantemente durante os debates. As ideias não devem ser restringidas por julgamentos precoces sobre uma possibilidade.

Dessa forma, nenhuma alternativa é totalmente descartada ou ignorada, ou insensata e paradoxal, todas elas podem e devem contribuir para a produção de uma solução original e eficaz.

Promova o engajamento

O propósito das reuniões deve ser compartilhado por cada um dos participantes, de forma que todos tenham consciência de que não importa de quem parte a solução, mas quão eficaz essa solução será. Uma vez que todos contribuem para todas as etapas da construção da solução, o gozo pelo alcance do resultado é (ou deve ser) igualmente compartilhado por todos.

Incentive a interação

O estímulo interativo deve acontecer continuamente durante o surgimento de cada ideia, fazendo com que os próprios participantes estimulem uns aos outros. Nenhum comentário precisa ser tecido em torno de críticas negativas ou apontamento de falhas no que foi proposto, mas sim visando os questionamentos que possibilitem a otimização de tal ideia.

Como fazer o brainstorm

O grupo escolhido deve ser enxuto e bem articulado, reunido de forma estratégica em favor do estímulo à criatividade. Isto é, um grupo diversificado, com homens e mulheres, que desempenhem diferentes funções na empresa e que possam contribuir com diferentes perspectivas sobre os problemas.

Esse grupo contará com um facilitador, responsável pela coordenação dos debates, com expressas características de liderança, e com os escreventes, que tomarão notas das ideias que surgirem durante a sessão.

Para a abertura da sessão, é sempre importante frisar a pauta — ou o problema — em torno da qual as ideias devem ser concentradas. Outro ponto importante, é iniciar a reunião com algum material estimulante à criatividade e que induza o participante a se sentir integrado e ligado ao tema. Para que as reuniões não tenham o seu foco dissipado, todos os participantes devem conhecer profundamente o problema debatido.

As reuniões são um processo contínuo e que não deve ser interrompido por barulhos ou qualquer indivíduo externo, por isso precisam ser realizadas em um local tranquilo e leve, que propicie o conforto dos participantes a desenvolverem sua criatividade.

Com isso pode concluir-se

O brainstorm deve servir como um grande compilado de ideias, que passarão por uma filtragem e depois serão identificadas as soluções potenciais e mais viáveis para a empresa. Dessa forma, as críticas (positivas ou negativas) devem ser reservadas para outro momento, fazendo com que as ideias principais não se percam. O objetivo é desenvolver a proposta emergente em sentido de complementaridade.

É relevante não ignorar o fato de que nem sempre a solução é encontrada no primeiro momento da reunião, exigindo a exploração habitual de cada um dos argumentos expostos depois de encerrada a atividade.

A técnica desenvolvida inicialmente por publicitários, traz uma gama bastante ampliada de oportunidades e opções de resolução de problemas, tornando a tomada de decisão menos difícil e descentralizada.

Ricardo A. M. Barbosa é diretor executivo da Innovia Training & Consulting, professor de programas de pós-graduação em conceituadas instituições de ensino, Consultor em Gestão de Projetos há 15 anos e já atuou como executivo em grandes empresas como Ernst & Young Consulting; Wurth do Brasil; Unibanco; Daimler Chrysler.

E então, você tem outras dicas para fazer um brainstorm eficiente? Deixe um comentário e participe da conversa!

 

COMPARTILHAR
Próximo artigoLeitura Obrigatória: veja 4 livros sobre gestão que você precisa ler
Innovia
A Innovia Training & Consulting é especialista no gerenciamento e integração de programas de educação executiva e consultoria empresarial.

DEIXE UMA RESPOSTA

*