Um líder nos tempos de crise

Liderar equipes é sempre uma grande responsabilidade, especialmente em tempos de crise. Nesses momentos, o líder precisa demonstrar capacidade para superar desafios, reforçar comportamentos positivos, fortalecer a relação com a equipe e ser um bom comunicador, para minimizar os impactos negativos. Profissionalismo, maturidade, transparência e engajamento passam a ser ainda mais exigidos, pois é durante a gestão de crise, que os verdadeiros líderes se diferenciam, mantendo o foco em pessoas e em resultados. Conheça agora algumas atitudes que um líder deve ter em tempos de crise:

Seja sincero e coerente

Em momentos difíceis, é fundamental não perder a confiança da equipe. Assim, é preciso ser sincero sobre as dificuldades e sobre a estratégia adotada pela empresa para suportar a crise. A coerência deve estar presente em todas as dimensões da gestão: no discurso, nas atitudes e nas decisões.

Reforce a comunicação

Um bom sistema de comunicação é capaz de manter a equipe comprometida, além de melhorar o ambiente de trabalho. Para isso, o líder deve compartilhar informações — incluindo a situação do mercado, concorrência e, principalmente, os obstáculos a serem superados. Reuniões com o time são bastante úteis no processo de comunicação e servem também para esclarecer dúvidas, definir prioridades e direcionar os esforços.

Administre as emoções

Em tempos de crise, é comum que haja insegurança e preocupação entre os colaboradores. E esse conjunto de fatores pode afetar negativamente a produtividade. Assim, cabe ao líder compreender a situação e administrar as emoções, sempre tentando valorizar as competências e motivar a equipe.

Não adie as decisões

Durante a crise, a agilidade na tomada de decisões se torna mais importante, principalmente, para evitar o desperdício de recursos e garantir maior flexibilidade diante das adversidades. Alterações nos planos devem acontecer, mas de forma estruturada.

Revise metas e objetivos

A gestão de crise exige também uma revisão das metas e dos objetivos da empresa para que sejam compatíveis a nova realidade. Com essa medida, é possível manter o foco nas principais rotinas, realinhar oferta e demanda, redirecionar as equipes e estabelecer novas linhas de trabalho.

Corte custos com inteligência

Além da constante necessidade de otimização de processos e recursos, em tempos de crise, é preciso atuar mais fortemente na redução de custos. Nesse sentido, é interessante contar com sugestões da equipe para localizar despesas desnecessárias e que não agregam valor, além de possibilidades de cortes em alguns orçamentos e projetos.

Mantenha a visão de longo prazo

Em tempos de crise, também é preciso manter uma visão de longo prazo, inclusive no corte de custos. É essencial proteger a saúde financeira, mas não é adequado sacrificar ativos e investimentos estratégicos. O futuro competitivo da empresa deve ser assegurado, sem a influência de decisões meramente imediatistas.

Incentive a criatividade e a inovação

A busca por soluções e oportunidades deve fazer parte do cotidiano de qualquer empresa e, para isso, é fundamental incentivar a criatividade e a participação das equipes. Programas de inovação podem produzir ótimos resultados. É preciso também pesquisar as melhores práticas, novas tecnologias e diferentes nichos de mercado, além de buscar parcerias e investir em melhoria contínua.

Exerça uma liderança proativa

Em tempos de crise, líderes proativos podem estimular comportamentos idênticos por parte da equipe. O senso de urgência e de oportunidade deve estar fortalecido, bem como o dinamismo, o comprometimento e a capacidade de resolver problemas.

Acompanhe os indicadores de performance

Uma gestão estratégica deve contar com indicadores de performance para monitoramento da equipe e das metas planejadas. Essa ferramenta é bastante útil, em especial em tempos de crise, quando a produtividade passa a ser ainda mais necessária. Além disso, através dos indicadores, é possível detectar antecipadamente algumas tendências, o que permite a correção de desvios ou um maior investimento em determinados processos.

Ricardo A. M. Barbosa é diretor executivo da Innovia Training & Consulting, professor de programas de pós-graduação em conceituadas instituições de ensino, Consultor em Gestão de Projetos há 15 anos e já atuou como executivo em grandes empresas como Ernst & Young Consulting; Wurth do Brasil; Unibanco; Daimler Chrysler.

E na sua opinião, quais as atitudes mais importantes para um líder em tempos de crise? Comente!

DEIXE UMA RESPOSTA

*